Florença Thomas

"Havia vinte e duas histórias de mulheres"

“No teatro da memória, as mulheres são sombras claras ...” Georges Duby e Michelle Perrot

Havia vinte e duas histórias de mulheres: vinte e duas histórias que atravessam o tempo e o espaço; vinte e duas histórias emblemáticas que foram escolhidas entre muitas outras. Histórias que percorrem o mundo e atravessam os séculos e que nos dão a certeza de que as mulheres sempre estiveram de alguma forma presentes no mundo, ora caladas, ora escondidas, muitas vezes controladas, quase sempre submissas às culturas patriarcais que procuravam a maneira de silenciá-los e mandá-los para o quintal. Provavelmente para não ter que enfrentar aquele poder cósmico que têm que dar a vida e que não podem assumir. E não só para dar vida, mas para cuidar dela, para fazê-la fluir de qualquer maneira e, finalmente, conseguir superar a desordem, o caos e a desolação gerados pelos milhares de guerras dos homens.

Havia uma mulher, um livro esplendidamente ilustrado com vinte e duas mammushkas, uma para cada história. Um livro que nos mostra que existem milhares de maneiras de escrever uma história de mulheres, das mulheres do mundo, uma história que nos faça lembrar a sua fantástica soberania - tradicionalmente destinada à solidão da reprodução materna - quando ousam enfrentar um mundo hostis e nunca intencionados para eles, quando decidem falar, empurram a porta de seus castelos para escapar da sombra do doméstico, usam a estranha magia de sua pele fedorenta, tornam o impossível possível ou revivem uma memória que não pode ser perdida , às vezes inventando poções que incomodam os homens, mas sempre para nos lembrar que este mundo é misto, é plural e que a humanidade sem elas teria naufragado inexoravelmente.

Hoje, e após séculos de silêncio, existem várias histórias de mulheres. No entanto, aquele longo silêncio indica que a questão de saber se havia algo interessante sobre sua história não tinha sentido e nem mesmo foi levantada. Além disso, o que se poderia saber sobre as mulheres e quem estava interessado em ouvi-las quando elas disseram que tinham algo a dizer? Lembremos que as mulheres, com algumas exceções, que são precisamente aquelas incluídas em Era uma vez uma mulher, não tinham corpo nem palavra. Já nos havia dito Georges Duby, aquele grande historiador que procurou encontrar algumas delas na época das catedrais, quando nos advertia que devíamos nos resignar, pois a única coisa que poderíamos apreender do feminino por muito tempo foi somente através a aparência dos homens. Porém, como algumas delas conseguiram ter acesso ao conhecimento, os mais cultos ousaram escrever, às vezes arriscando a vida, pois de fato "as mulheres que escrevem também são perigosas", como nos lembra o título de um belo livro. descobrir a vida de mulheres sábias, educadas e escritores, ao longo de muitos séculos; mulheres muitas vezes desconhecidas do público em geral e até amordaçadas na maioria dos manuais ou compêndios da literatura mundial.

Nesse sentido, Era Uma Mulher tem a particularidade de nos apresentar a história de vinte e duas mulheres, dos quatro cantos do mundo, que reafirmam com coragem e força e sabedoria inusitadas, um amor pela vida que toca a loucura; talvez o que chamamos hoje de ética de cuidar da vida. Lá, encontramos os transgressores dos éditos e mandatos de uma cultura patriarcal em relação ao dever das mulheres; encontramos as vítimas eternas de milhares de guerras geradas pela loucura devastadora dos homens; mães e avós que não podem perder a esperança de abraçar novamente seus filhos ou netos desaparecidos; os bravos revolucionários de muitas revoluções; os que não hesitaram em pedir pão e rosas para obter melhores condições de trabalho nas fábricas; outros, mais sábios do que os sábios, que conheciam os mistérios do universo e suas estrelas; as bruxas que usurparam um poder que não lhes pertencia acabaram na fogueira e, em suma, desde a nossa primeira irmã australopiteca, Lucy, todo o texto é uma homenagem às mulheres, a todas as mulheres que acreditaram num mundo melhor possível para tudo e tudo. Por alguma razão, a terra é freqüentemente chamada de mãe terra e só pode ser feminina.

Esperançosamente, este livro se tornará um texto escolar para o ensino médio, um texto que permita cada vez mais pesquisas sobre a questão da participação feminina; uma participação difícil de discernir ou de compreender se ficarmos apenas nas palavras. Talvez em seus silêncios e no que eles não puderam dizer, esteja a chave.

Florença Thomas
Bogotá, fevereiro de 2015

 

Retirado do livro Era uma vez uma mulher, escrito por Vera Carvajal, com prefácio de Florença Thomas

 

Você quer saber mais histórias como esta?

O livro Era uma vez uma mulher do autor Vera Carvajal, propõe uma viagem por diferentes tempos e geografias da humanidade nas mãos de mulheres intensas, poderosas, inteiramente belas, capazes de transformar a dor em esperança; para domar os sangrentos com a palavra; resistir e transformar; perguntar e responder; para elevar a vida no amor; mudar paradigmas de ser, de saber, de amar, de fazer.

Gostou do prefácio de Florence Thomas?


Deja un comentario