Se não fosse porque Fanuel Hanán Díaz Ele é tão jovem (ou parece ser) que me sentiria confortável em chamá-lo de estudioso. Mas é claro que, quando tal palavra é evocada, pode-se imaginar um velho arrogante. E isso é exatamente o que Fanuel não é, que pelo contrário, embora possa exibir leituras, pesquisas, títulos, prêmios e reconhecimentos, prefere a simplicidade de um bom falar e de compartilhar o que sabe e é apaixonado.

Desta vez trazemos aos leitores de LuaBooks esta entrevista com o teórico e pesquisador da literatura infantil, Fanuel Hanán Díaz, com quem falaremos sobre literatura infantil, o livro como revelação, a responsabilidade do editor, o encontro em torno da leitura, a escola e os intermediários da promoção da leitura e, claro, vamos falar sobre o álbum do livro e seu futuro.

LC: Muitas vezes ouvimos falar da importância da leitura e dos livros. Fanuel, por que ler é tão importante para você? O que muda a literatura infantil em crianças?

Lembro-me da primeira vez que tive um livro nas mãos ... Na Venezuela existe uma tradição do menino Jesus que traz presentes para as crianças. Éramos todos irmãos tirando os pacotes, vendo a bicicleta. Quando de repente minha avó me disse que estava faltando um pacote. E descobri que ao pé da minha cama, embrulhado em um papel artesanal simples e modesto, estava um pacote com dois livros: um era Peter Pan e o outro era uma versão de A ilha do Tesouro. E acredito que para mim aquele dom foi tão poderoso que a partir daí senti algo que nunca havia sentido antes: a necessidade de ler. E lembro que falaram para a gente ir dormir, mas me enrolei no lençol e com uma daquelas lanternas grandes e pesadas, à noite, continuei lendo o livro porque queria terminar. E a partir daí, esses livros em particular tocaram minha alma de tal maneira que me tornaram um leitor. Foi como uma revelação e sinto que é isso que a leitura faz em você, principalmente nas crianças, é revelar-se e descobrir algo em você que talvez você não soubesse que existia.

LC: Basta um livro?

Eu acho que sim. O bibliotecário escocês John Spink diz algo como "o livro certo deve chegar a todos os leitores na hora certa". E para mim essa é uma das grandes verdades que sustentam a magia que faz com que uma criança, no contato adequado com um determinado livro, se torne leitora. Portanto, uma das grandes responsabilidades dos mediadores e uma das maiores responsabilidades de todos os adultos que atuam como intermediários neste processo de leitura, é ajudar as crianças a encontrar os livros que lhes convém nos momentos apropriados. para mudar a vida para sempre.

LC: Para onde os livros nos levam?

Costumamos dizer que os livros são companheiros fiéis; às vezes dizemos que ler é como viajar, mas ficar na quietude do assento. Eu acredito que essas duas coisas são fundamentais. Porque através da leitura, viajei pelas profundezas da terra; Estive nas minas do Rei Salomão, estive nas neves perpétuas, perdi-me nas selvas e também naufraguei com o suíço Robinson e sua família. E tudo isso aconteceu no mesmo lugar, na mesma cadeira, na mesma sala. Essa capacidade de viajar pela leitura, para mim, é fundamental.

 

LC: Então, que responsabilidade os editores têm em tudo isso?

Sinto que no mercado editorial há uma saturação de livros de baixa qualidade: livros que poderiam ser totalmente dispensáveis. Há uma escritora brasileira que ganhou o Prêmio Hans Christian Andersen chamada Ana María Machado. Um dia eu o ouvi dizer que os livros deveriam valer pelo menos as árvores que são cortadas para fazer a polpa do papel daquele livro. E eu acho que quando ficamos cientes do quão predadores são os seres humanos, e você pensa um pouco mais profundamente sobre essa grande responsabilidade que os editores têm, você deve se perguntar se vale a pena cortar uma árvore que levou sete anos para crescer, com toda uma mundo de insetos e ninhos de pássaros. Você se pergunta se vale a pena cortá-lo para fazer a polpa de um livro realmente desprezível que pode ser jogado fora, porque nada acontecerá se aquele livro desaparecer. Acho que essas são algumas das perguntas que um editor deve fazer.

Acredito que haja uma grande responsabilidade do editor, principalmente na publicação de livros de qualidade e isso implica no tempo que for necessário. Os livros às vezes levam um ou dois anos para orquestrar esses textos e ilustrações de qualidade excepcional, para formar um ecossistema que tem um impacto duradouro no leitor. Acho que é uma tarefa indiscutível que todo editor deveria ter, especialmente um editor de literatura infantil.

LC: A escola é um espaço vital na promoção da leitura. Na sua perspectiva, como você vê a mediação da escola na formação de leitores?

A escola exige muitas novidades. E isso leva os editores às vezes a correr desnecessariamente contra o tempo e a lançar livros que não estão maduros e de qualidade duvidosa. E este é um problema básico para o circuito de treinamento de leitura. Por outro lado, a escola exige “aquisição de conhecimentos” e é por isso que os livros infantis são muitas vezes rodeados de materiais adicionais (guias e apostilas) que permitem ao professor satisfazer as exigências da escola. E, claro, no final de uma leitura em que seu coração bate porque te tocou muito, em que você se conectou com um personagem, em que teve uma aventura, em que descobriu um mistério, em que sentiu medo ou Talvez você tenha sido movido pela emoção, obviamente todo aquele ganho espiritual, você mata quando tem que responder uma série de perguntas. E isso está afetando muito a formação do leitor literário. Acredito que a escola deva estimular a aquisição de conhecimentos sobre o idioma, mas é para isso que servem os livros e as leituras que acompanham os livros didáticos.

LC: Dizem que a vida é a arte dos encontros. E se ler faz parte da vida, deveria ser também um ponto de encontro. Como funciona o encontro e o diálogo nos processos de formação em leitura?

Uma das mais belas considerações da leitura é que ela é vista como um ponto de encontro. Um espaço que permite, acima de tudo, conversar. Acho que estabelecer uma conversa em torno da leitura é uma das estratégias que permitem esse encontro. Muitos adultos têm a possibilidade de promover esse diálogo se fizerem perguntas realmente valiosas, se fizerem perguntas inteligentes, se fizerem perguntas abertas sobre o que aquela leitura pode suscitar no leitor: em torno das opiniões que essa leitura poderia ter gerado, em torno do sentimentos que essa leitura pode ter gerado no leitor e também em torno da especulação. Se encararmos a leitura como um modelo teórico, uma proposta muito interessante é ver a leitura como uma possibilidade de construir constantemente hipóteses. Quando você é leitor, você sempre se questiona sobre o destino dos personagens ou vai em frente para saber o que vai acontecer; você sempre faz inferências. Existe um território extremamente rico para construir possibilidades de diálogo. Portanto, são muitas as possibilidades de construção do diálogo a partir do que um livro deixa como território vivo de informações. Da mesma forma, acho que os adultos têm, em certa medida, uma espécie de bastão, devido à nossa capacidade desenvolvida de compreender o funcionamento dos signos. Os adultos podem orientar um processo no qual a criança expressa como sente que a leitura a tocou, as possíveis interpretações de um livro e as chaves que podem ser reveladas para chegar a um caminho pessoal de compreensão de um livro. É por isso que se diz que um livro tem tantas leituras quanto tantos leitores. Acho fascinante um pequeno ensaio de Aidan Chambers intitulado “Conte-me”, no qual ele propõe uma metodologia para estabelecer essa conversa, especialmente com os jovens. Acho que é uma forma muito interessante, apropriada e inteligente de fazer os livros se acomodarem no espírito de uma comunidade de leitores.

LC: Seu livro Ler e olhar o livro do álbum é um dos referenciais teóricos mais importantes para a análise desse gênero. Conte-nos um pouco sobre o álbum e suas características.

Atualmente o álbum de livro é o gênero ou categoria de livro com maior presença em bibliotecas, livrarias e em espaços de formação de leitura. O livro do álbum é basicamente caracterizado por manter uma estreita relação entre texto e ilustração e seu significado último é construído a partir dessa inter-relação. Isso significa que existem muitas variáveis ​​nesta relação. Às vezes a relação é muito próxima e outras vezes muito distante. E nessa gradação de distância e proximidade entre os dois códigos, são múltiplas as possibilidades em que entram em jogo não só texto e ilustração, mas também outros elementos como layout, uso de espaços em branco, tipografia que às vezes cresce de tamanho. É por isso que o livro do álbum está se tornando um ecossistema dinâmico, com muitos elementos, como se fosse um sistema planetário que se move em uma perfeição invisível, tornando este um sistema de sentido interessante para explorar.

Este ecossistema complexo com estes elementos que constituem esta perfeição invisível, esta coesão, implica também que o leitor se comprometa a fazer vibrar e fazer sentido para ele e para a interpretação do todo estes elementos. Por isso, considero que o livro álbum dá uma contribuição fundamental para a formação da leitura, pois exige que o leitor seja participativo e preencha parte da interpretação aqueles interstícios que se criam nos diálogos dos diferentes elementos. Às vezes, diretamente, o leitor tem que intervir tocando ou movendo o livro para entendê-lo. Mas às vezes, de forma menos direta, o leitor tem que “completar” e é isso que torna o álbum tão sofisticado, já que as linguagens começam a deixar pontas soltas que devem ser completadas e montadas magicamente por um leitor. inteligente e empenhada em encontrar significado. Acho que é por isso que o álbum está cada vez mais próximo, pela sua utilidade e flexibilidade, de novos formatos e novas propostas de leitura, o que lhe dará um horizonte muito mais amplo e um futuro muito interessante. É um gênero que tem a capacidade de se adaptar, se ressignificar e fazer propostas cada vez mais novas.

LC: E como a leitura em formato digital, o álbum interativo está mudando a forma de ler?

Cada vez mais existe um comportamento da Internet, algumas gerações de nativos digitais que navegam constantemente em muitos dispositivos. O que foi dito acima mudou um pouco as perspectivas de leitura. Imagino como poderá ser a leitura no futuro, a leitura digital, aquela leitura que envolve toda uma série de elementos que o livro físico não possui, por exemplo o multimodal, os canais sensoriais que são ativados. Um livro digital interativo permite que você tenha música, vídeo e, por sua vez, combine-os com elementos que impliquem que você toque em uma tela, que atue em um menu ou dispositivo para que algo aconteça. E cada vez mais você se torna um participante ativo, até mesmo um "co-autor" da história. E isso muda enormemente as possibilidades de formar leitores com outros hábitos.

Não sou daqueles que prevêem que o livro físico morrerá. Parece-me que o livro físico tem vigor, força, tem muito para contar. Obviamente, vai mudar. Se, por exemplo, olharmos os álbuns produzidos nas décadas de oitenta e noventa, podemos notar diferenças abismais com os livros que estão sendo produzidos ultimamente, que estão mais ligados ao mundo interativo: suas páginas se movem e isso implica que o leitor manipular e isso antes não era tão típico do livro de álbuns. Então eu acho que as línguas começam a se misturar e se emprestar umas das outras.

LC: E por último, Fanuel, o que você acha que falta na literatura infantil atual?

Lamento que a poesia esteja cada vez mais ausente. Para mim, a poesia é fundamental na trajetória do leitor e na formação de outros elementos que a narrativa não possui. Parece que a rainha, a favorita, é a narrativa. Mas a poesia, que é essa quietude e essa exploração de sentimentos, está se perdendo como parte do futuro do livro digital e do livro infantil impresso.

Mais sobre Fanuel Hanán Díaz

Teórica e pesquisadora de literatura infantil, graduada em Letras pela Universidade Católica Andrés Bello. Foi coordenador do departamento de seleção de livros infantis e juvenis do Banco del Libro da Venezuela. Professora convidada do Mestrado de Gretel em Literatura Infantil e autora do curso virtual CERLALC de Redação Criativa. Bolsista da Internationale Jugendbibliothek (Munique) para desenvolver pesquisas sobre processos de impressão em livros infantis antigos. Com o apoio da Embaixada da França, fez pesquisas sobre a obra de Júlio Verne em Amiens e Nantes. Editor da Barataria: revista latino-americana de literatura infantil e juvenil.

Fanuel Hanán Díaz foi júri de literatura infantil em vários concursos internacionais. Ele foi um júri da Bienal de Bratislava. Tem levado suas palestras e conferências a diversos países da Europa e América Latina. Vencedor do Prêmio Nacional de Literatura Infantil e membro do Quadro de Honra do IBBY, 2008.

Alguns livros de Fanuel Hanán Díaz

  • Lendo e olhando o álbum do livro: um gênero em construção? Bogotá Norma, 2007
  • O amor é um pequeno bug. Caracas. Edições B, 2007
  • Sementes do México. México. Edições Tecolote, 2007

Deja un comentario